A importância de saber lidar com as emoções dos colaboradores


Compartilhar

*Por Semadar Marques

Liderar é influenciar. Saber inspirar e engajar pessoas a buscarem objetivos comuns a todos, desafiando individualmente cada membro da equipe para que se sinta confortável em colocar suas melhores habilidades na prática em prol disso.

Mas como conseguir isso sem desenvolver uma boa inteligência emocional?

Inteligência Emocional é um conceito que traduz a capacidade de alguém em reconhecer e gerir as próprias emoções para reconhecer e interagir mais facilmente com as emoções dos outros e lidar com as demandas e adversidades diárias. Alguém com alta inteligência emocional é capaz de identificar e aceitar o que sente, seja positivo ou não, ampliando sua autopercepção e se dispondo a desenvolver aquilo em que tem dificuldade. Assim fica mais fácil de lidar, respeitar e empatizar com as emoções alheias.

A inabilidade em desenvolver relacionamentos saudáveis tem criado muito sofrimento psíquico em empresas e organizações e criado o que eu costumo chamar de ambientes de insalubridade emocional. Líderes mal preparados, que se colocam na equipe de forma a atender seus próprios interesses e com uma grande necessidade de sobrepor-se e diminuir pessoas para sentirem-se fortes, devido as suas inseguranças e medos.

O sujeito que atua no grupo de forma a atender seus próprios interesses não é um líder e dificilmente vai construir resultados sustentáveis, pois de alguma forma vai tirar a motivação e o entusiasmo com seu egoísmo. Líderes são incentivadores e provocadores da autoestima de seus liderados e, para que isso ocorra, precisam estar conscientes de suas questões emocionais e dispostos a desenvolverem seus gaps de competência para tornarem-se melhores gestores.

Equipes organizacionais que não possuem líderes incentivadores de um bom clima costumam gerar ambientes que operam na base do medo e da sobrevivência. Por trabalharem na incerteza, na falta de confiança e transparência, o foco no objetivo final de aprimoramento e entrega de produtos e serviços com excelência fica bastante prejudicado. O medo e a desconfiança fazem a equipe perder tempo com fofocas, puxões de tapete, disputas e intrigas. Esse meio não cria resultados sustentáveis e eficientes em longo prazo e vai sempre impactar negativamente de alguma forma, seja no alto turnover, seja na baixa motivação dos funcionários, seja na falta de qualidade do produto final.

Criar líderes preparados para desenvolver outros líderes, superando suas inseguranças e entendendo que a liderança pressupõe potencializar pessoas para o crescimento de toda a organização. O líder precisa trabalhar pelo bem comum e a falta de inteligência emocional dificulta e emperra essa visão. Pessoas entregam seu melhor quando se sentem valorizadas e dignificadas e o desenvolvimento da IE nesse contexto é fundamental.

*o autor é especialista em Inteligencia Emocional e Liderança Colaborativa

Compartilhar